Google+ Followers

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Tudo me é Lícito, mas nem tudo me convém - Maternal

Esse sábado (21/04/18) tivemos mais um momento de convergência, que é quando todo o DEF (Departamento de Evangelização da Família) estuda o mesmo tema.

A Sara preparou uma aula linda!

Conversou com os evangelizandos sobre o que eles costumam fazer em casa e perguntou:”Quando a mamãe manda vocês tomarem banho, vocês gostam?”

Usou o vídeo Tayler não quer tomar banho, fazendo a reflexão sobre o assunto.


Deu um desenho para cada um pintar apenas as coisas que usamos para tomar banho.





Voltou a conversar com os evangelizandos, perguntando: "Quando vocês fazem algo de errado, vocês contam a verdade?"

Usou o vídeo Fiz besteira, fazendo a reflexão sobre o assunto.

Deu um desenho da boca feliz para cada um colar bolinhas de papel coloridas para a boca ficar ainda mais sorridente.





segunda-feira, 16 de abril de 2018

Chá Literário - Parábola da Festa de Núpcias - Jardim

A aula desse sábado (14/04) foi minha. Expliquei que estávamos comemorando o "Dia do Livro Espírita", que é dia 18/04, mas como a gente não ia ter evangelização, antecipamos a comemoração. Até enfeitamos o corredor e nossa sala.




Utilizando dedoches, mostamos que o Livro é um Tesouro , contando uma adaptação da história “A Abelha, A Formiga e um Tesouro” de Elza Pereira Dalla Costa.



Esse ano escolhi o Evangelho Segundo o Espiritismo, para mostrar que é nele que encontramos os ensinamentos de Jesus, pois estamos estudando a Segunda Revelação. Confeccionei um para introdução da aula, que fez o link com a Parábola da Festa de Núpcias, escolhida para trabalhar em sala.

Após a leitura da parábola, para que os evangelizandos pudessem compreender o conteúdo, dialogamos com eles, mostrando que não basta sermos convidados, não basta nos sentarmos à mesa para tomar parte no banquete celestial é necessário que estejamos vestido com a túnica nupcial. Essa é a condição para participarmos da festa no plano espiritual. A túnica é uma roupa especial, que nada tem a ver com essas roupas que estamos usando e que compramos nas lojas. A túnica é construída com as nossas atitudes de amor a Deus, a nós mesmos e ao nosso próximo. É a roupa do Espírito. Ou seja, precisamos ter puro o nosso coração e cumprir as leis de Deus, amando o nosso próximo e tratando-o como um irmão.

Incentivamos os evangelizandos a dizerem, sem mentir, algum defeito que possuem e que precisa ser melhorado. Dar alguns exemplos para ajudar: alguns relaram que fazem malcriação, brigam com os irmãos, deixam seu quarto bagunçado e os brinquedos espalhados, mexem em coisa na casa que não deviam, falam palavrão, gritam, etc. 

Entregamos a cada um, uma túnica feita em TNT branco.



Pedimos que desenhassem na túnica, usando giz de cera, atitudes contrárias às que relataram possuir, representando a purificação do espírito, explicando que só assim teriam a condição necessária para participar da festa no plano espiritual.











Enquanto os evangelizandos desenhavam, preparamos “o banquete” em um canto da sala, montando uma mesa com livros, suco e outras gostosuras; fixamos um papel com “Festa de Núpcias”. 




Quando todos terminaram de desenhar em suas túnicas, explicaram o desenho e tiveram permissão para participar da Festa de Núpcias. Antes de iniciar o lanche, fizemos nossa prece final, agradecendo ao Mestre por mais uma tarde tão proveitosa de aprendizado.










O Livro é um Tesouro


Adaptação da história “A Abelha, A Formiga e um Tesouro” de Elza Pereira Dalla Costa.

Naquela tarde o vento soprava forte no campo de Girassóis.



Todos os bichinhos que moravam ali, ouviam o som do vento balançando as folhas.

Com o bailado do vento, caiu um livro bem perto da Formiga Fifi.



Fifi levou um susto e saiu correndo para pedir ajuda à amiga Abelha, que estava descansando num enorme girassol!



- Amiga abelha! Por favor, me ajude. Caiu um tesouro perto de meu formigueiro.

- Ufa! Que susto que você me deu, Fifi. Eu estava aqui pensando o que fazer neste final de tarde.

- Então, venha comigo ver o tesouro.

A Abelha abriu as suas asas e pediu para Fifi agarrar-se bem firme em suas patas para chegarem mais depressa.

- Nossa! Que tesouro enorme, Fifi. Você sabe o que é?

- O susto que levei foi tão grande que saí numa corrida só e nem olhei direito o que era. - falou Fifi.

- Ele deve ter caído do céu. – Falou a Abelha, olhando para o tesouro.

- Eu não conheço esse tesouro. Nunca vi nada igual antes. - afirmou Fifi.

- Sabe, Fifi, um pouco antes eu estava voando à procura de néctar e vi duas evangelizadoras conversando sobre um tal de Evangelho Segundo o Espiritismo. Será este? (olhar a capa do livro)

- Ah! Então este é o tesouro?! Eu nunca ouvi falar deste tal evangelho. - disse Fifi.

- As evangelizadoras disseram que esse é um livro que contém muitos esclarecimentos sobre os ensinamentos de Jesus. - fala a abelha

De repente, surgem uma das evangelizadoras.

- Aqui está o meu Evangelho! Ainda bem que não estragou com o tombo. Olhe só que interessante, ao cair, abriu bem na Parábola que preciso estudar: A Parábola da Festa de Núpcias, isso não é demais?! Vamos a estudar comigo? – fala a evangelizadora convidando os evangelizandos.



A Parábola da Festa de Núpcias





Falando por parábolas, Jesus disse que o Reino dos Céus se assemelha a um Rei que, querendo festejar as bodas de seu filho, mandou seus servos chamarem os que tinham sido convidados. Estes porém se recusaram.

O Rei mandou outros servos, com ordem de dizer da sua parte aos convidados: -Preparei o meu jantar, tudo está pronto, vinde as bodas!

Eles porém, sem se incomodar em com isso, lá se foram um para sua casa de campo outro para o seu negócio. Outros ainda pegaram os servos e os mataram.

Sabendo disso, o Rei ficou furioso e mandou contra eles seus exércitos. Exterminou os assassinos e lhes queimou a cidade.

Então disse a seus servos: - O Festim das bodas está inteiramente preparado, mas os que para ele foram chamados não eram dignos dele. Ide, pois e chamai para as bodas todos quantos encontrardes.

Os servos então saíram pelas ruas e trouxeram todos os que iam encontrando, bons e maus; a sala das bodas se encheu de pessoas que se puseram a mesa.

Entrou em seguida o Rei para ver os que estavam à mesa e dando com um homem que não vestia a túnica nupcial o rei disse: - Meu amigo, como entraste aqui sem a túnica nupcial?

O homem ficou em silêncio. Então disse o Rei a sua gente: - Atai-lhes as mãos e os pés, e lançai-o nas trevas exteriores, aí é que haverá prantos e ranger de dentes. Porque muitos são os chamados, mas poucos os escolhidos.


Chá Literário - Parábola da Ovelha Perdida - Maternal

A Cíntia Machado iniciou sua aula explicando que estávamos comemorando o Dia do Livro Espírita. Levou os evangelizandos para visitarem o corredor.





Depois fizeram uma visita à nossa biblioteca, Biblioteca Meimei.







Já na sala, ela apresentou o livro que seria estudado.




Estabeleceu uma conversa com os evangelizandos, baseando-se nos seguintes itens:
- Quem sabe o nome deste animalzinho? (Ovelha)
- A ovelha é um animalzinho selvagem, bravo?
- Não, ela até nos deixa cortar sua lã para fazermos agasalhos, blusas.
- Como se chama a pessoa que cuida das ovelhas, as leva até o pasto e as guia de volta? (Pastor)

Disse que eles iriam ouvir a história de uma ovelhinha, uma história diferente porque é uma história que Jesus mesmo contou, quando estava aqui na Terra. Ele a contou aos seus amigos. Perguntou: - Vamos ouvir??

Depois da história, ela perguntou: -Vocês gostaram da história? 

Pediu que chegassem bem pertinho dela, pois iria lhes contar um segredo! 

Jesus contou esta história para mostra a todos nós que Deus é como o pastor; e nós somos as ovelhinhas Dele; e Deus gosta de nós, nos ama como este pastor. É muito bom a gente saber que também além de Deus, temos também nosso amigo e irmão Jesus como nosso modelo e guia. Deus e Jesus nos auxiliam sempre cuidando de nós, e nos amando muito!

Ouviram a música "A Ovelhinha" do CD Estrelinha do Céu (Demétrio Pável Bastos)

Um pastor tinha cem ovelhas
Com todas elas ele passeava
A tardinha voltou pra casa
Então viu que uma faltava
Indo atrás de sua ovelhinha
Tão aflito o pastor se achava
Que os espinhos que o machucavam
O pastor pra eles nem ligava
Vem cá ovelhinha perdida
Por onde você andará?
Preciso encontrá-la depressa
Pois a noite vai chegar.
Achou a ovelhinha chorando
E no colo ela a colocou
Prá casa, a ovelhinha conduz

O pastor se chama Jesus!

Depois colaram algodão na ovelhinha.









Finalizou a aula com um lanche bem gostoso!



Parábola da Ovelha Perdida





Um pastor possuia um grande rebanho de ovelhas, eram 100 animais. De todas ele muito gostava, e cuidava delas com carinho e cuidado. O pastor era muito bom, bom mesmo; e jamais se cansava de procurar os melhores lugares para suas ovelhas pastarem; levava-as aos campos com bom pasto e às fontes, onde elas encontravam
água fresca e limpa.

Todas as tardes o pastor contava suas ovelhas, para ver se não faltava nenhuma.

Um dia, ao contá-las, que surpresa!!! ... Só havia noventa e nove! O pastor contou novamente. Afinal, poderia ter errado... Mas não, faltava mesmo uma ovelhinha.

O pastor ficou preocupado. Ele tinha medo que sua ovelhinha pudesse se ferir ou mesmo encontrar a morte ao cair de um barranco, se afogar...

O que ele fez? Pôs- se a procurá-la por todos os cantos. Nas encostas das rochas, nos barrancos, nos buracos...

Então, lá embaixo, sob pedras, avistou a ovelhinha que balia (gritava, chorava).
Por horas a fio o pastor trabalhou até que conseguiu salvar o animalzinho.

Como ela estava com a patinha ferida, ele a pegou no colo, levou-a até um riacho de águas fresquinhas e deu lhe de beber. Depois fez um curativo no ferimento, usando um pedaço da própria túnica!

E voltou com a ovelhinha no colo, andando muitas léguas, até novamente devolvê-la ao rebanho.

E o bichinho ia ali, naquele colo quentinho, feliz, apesar da patinha ferida. Ela reconhecia no pastor um fiel amigo.

Quando o pastor foi se aproximando do rebanho com a ovelhinha nos braços, todas as outras se aproximaram balindo (gritando, conversando na linguagem das ovelhas), alegre. Elas estavam felizes pela volta da companheira e por se sentirem protegidas pelo pastor.

Chá Literário 2018

Todos os anos comemoramos o Dia do Livro Espírita (18 de Abril) com um "Chá Literário", ideia da Joelma Farias, evangelizadora do 1º Ciclo.

Escolhemos um livro para ser trabalhado em sala e no final fazemos um lanche para os nossos evangelizandos.

Esse ano decidimos trabalhar livros que falassem das Parábolas, dos Ensinos, das Curas de Jesus, pois estamos trabalhando as Três Revelações e em Abril, estamos falando sobre a Segunda Revelação - Jesus e a Lei de Amor.

Enfeitamos o nosso corredor para receber os evangelizando.