segunda-feira, 18 de março de 2019

Deus - Vivência Jardim

Esse ano inserimos em nosso programa momentos para o resgate com vivência dos temas aplicados em sala. 

Nesses momentos, nossos evangelizandos poderão se expressar livremente, colocando para fora os seus sentimentos e/ou vivenciando os ensinamentos que foram transmitidos na aula anterior.

Sábado (16/03/2019) foi nossa primeira experiência. E nós do Jardim trabalhamos da seguinte forma:

Usando os cartazes da aula anterior - Deus, Pai e Criador, fizemos uma recapitulação do que foi falado em sala, assim, quem assitiu pode relembrar e até ajudar com suas colocações, e os que não assistiram puderam se situar em relação ao tema.

Depois da recapitulação, cantamos com os evangelizandos a Música “Deus está” (Música do Movimento Espírita)

Nas conchinhas lá do mar
Nas estrelinhas do céu
No universo infinito
E comigo Deus está

Quem quiser pode escutá-Lo
No cantar de um sabiá
No sussurro lá do vento
No chuá das ondas do mar

Churuá, churuá... chuá
Churuá, churuá... chuá

Lembramos que todas as criações de Deus tem um pouquinho Dele, reforçando que nós também temos um pouquinho de Deus em nós, por isso podemos sentir sua presença mesmo sem vê-Lo, e Suas Leis estão gravadas na nossa consciência.

Pedimos que fechassem os olhos e pensassem em alguma coisa que os fizesse sentir Deus, lembrar de Deus. Depois pedimos que abrissem os olhos e criassem algo que representasse Deus para eles.


Disponibilizamos diversos materiais: folha de papel A4 branca e colorida, papel de bala, forminhas de doces, conchinhas, lápis de cor e giz de cera, tesoura e cola, adesivos com imagens de pessoas, estrelas, borboletas e joaninhas, imagens de paisagens, etc.









Foi muito bom ver o resultado no final da aula.










quinta-feira, 14 de março de 2019

ENEFE 2019 - O Que Faço?

Que atividades, você, como criança, pode fazer para ser um agente transformador do mundo? ( Pode citar a atitude de alguns, por ex: o menino que juntou dinheiro para fazer um poço na África, do menino que doa sua mesada para comprar comida para moradores de rua, etc …). 

Em uma cartolina estará desenhada uma estrada e no meio dela será fixada o desenho de uma pedra. 

Os evangelizandos escreverão dentro de um par de pezinhos o que fazem, depois serão colados na estrada indo em direção à pedra. Quando alguns pés estiverem perto da pedra removê-la para o lado para que se colem os outros pés, chamando a atenção deles para esse fato: devemos passar ao lado e não ter trabalho ou removê-la e seguir em frente?


ENEFE 2019 - A Pedra no Caminho

A história foi contada com o auxílio de figuras coladas no cenário. Após a contação, foi feita uma reflexão.




Conta-se que um rei que viveu num país além-mar, há muito tempo atrás, era muito sábio e não poupava esforços para ensinar bons hábitos a seu povo. Frequentemente fazia coisas que pareciam estranhas e inúteis; mas tudo que fazia era para ensinar o povo a ser trabalhador e cauteloso. 
_ Nada de bom pode vir a uma nação - dizia ele - cujo povo reclama e espera que outros resolvam seus problemas. Deus dá as coisas boas da vida a quem lida com os problemas por conta própria. 
Uma noite, enquanto todos dormiam, ele pôs uma enorme pedra na estrada que passava pelo palácio. Depois foi se esconder atrás de uma cerca, e esperou para ver o que acontecia. 
Primeiro veio um fazendeiro com uma carroça carregada de sementes que levava para a moagem na usina. 
_ Quem já viu tamanho descuido? Disse ele contrariado, enquanto desviava sua carroça e contornava a pedra. Por que esses preguiçosos não mandam retirar essa pedra da estrada? 
E continuou reclamando da inutilidade dos outros, mas sem ao menos tocar, ele próprio, na pedra. 
Logo depois, um jovem soldado veio cantando pela estrada. A longa pluma de seu quepe ondulava na brisa, e uma espada reluzente pendia da sua cintura. Ele pensava na maravilhosa coragem que mostraria na guerra e não viu a pedra, mas tropeçou nela e se estatelou no chão poeirento. 
Ergueu-se, sacudiu a poeira da roupa, pegou a espada e enfureceu-se com os preguiçosos que insensatamente haviam largado aquela pedra imensa na estrada. 
Então, ele também se afastou sem pensar uma única vez que ele próprio poderia retirar a pedra. 
E assim correu o dia... 
Todos que por ali passavam reclamavam e resmungavam por causa da pedra no meio da estrada, mas ninguém a tocava. 
Finalmente, ao cair da noite, a filha do moleiro por lá passou. Era muito trabalhadora e estava cansada, pois desde cedo andava ocupada no moinho, mas disse a si mesma: 
_ Já está escurecendo, alguém pode tropeçar nesta pedra e se ferir gravemente. Vou tirá-la do caminho. E tentou arrastar dali a pedra. Era muito pesada, mas a moça empurrou, e empurrou, e puxou, e inclinou, até que conseguiu retirá-la do lugar. 
Para sua surpresa, encontrou uma caixa debaixo da pedra. Ergueu-a. Era pesada, pois estava cheia de alguma coisa. Havia na tampa os seguintes dizeres: "Esta caixa pertence a quem retirar a pedra". Ela a abriu e descobriu que estava cheia de ouro. 
O rei então apareceu e disse com carinho: 
_ Minha filha, com frequência encontramos obstáculos e fardos no caminho. Podemos reclamar em alto e bom som enquanto nos desviamos deles, se assim preferimos, ou podemos erguê-los e descobrir o que eles significam. A decepção, normalmente, é o preço da preguiça. 
Então, o sábio rei montou em seu cavalo e, com um delicado boa noite, retirou-se. 
*** 
Não há dor sem causa nem lágrimas sem procedência justa. Nossos obstáculos de agora foram tecidos por nós mesmos. Tenhamos, pois, a coragem de eliminá-los a golpes de esforço próprio, baseados na caridade, que é luz acesa em nosso roteiro de ascensão para Deus.

Por: Redação do Momento Espírita


ENEFE 2019: Amando e Trabalhando como Jesus

Apresentamos um painel, com uma imagem de Jesus segurando um coração grande com imagens de Jesus amando e trabalhando (curas, milagres, passagens de sua vida…, exemplos que nos ensinam até hoje como agir), colada no centro.





Entregamos ao evangelizandos ¼ de folha A4 para que desenhassem o que representava na vida deles amar e trabalhar, assim como Jesus amou e trabalhou. Colamos nos desenhos corações vermelhos com as fotos dos evangelizandos, finalizando o painel.







ENEFE 2019 - Teatro "A Árvore e a Fonte"




Adaptamos o livro "A Árvore e a Fonte" de Cezar Braga Said e montamos uma pequena apresentação teatral.


Segue abaixo o roteiro:

ROTEIRO

Antes dos evangelizandos serem deslocadas para o local da apresentação, a ÁRVORE e a FONTE já estavam posicionadas.

ÁRVORE: Olá! Eu sou uma Árvore muito antiga, e vivo nessa Floresta há muitos anos!  São tantos anos que até perdi a conta. Conheço todos os mistérios e encantamentos desse lugar e sei de muitas coisas e muitas histórias. Eu adoro contar essas histórias para todos os animaizinhos, mas já faz um bom tempo que ninguém aparece por aqui para conversar. 

(A ÁRVORE interage com as crianças): Estou me sentindo tão sozinha! Será que posso contar uma dessas história para vocês?

Há muito tempo atrás, uma fonte surgiu aqui na floresta.

(A FONTE acena para as crianças.)



ÁRVORE: Eu fiquei muito feliz e emocionada e logo começamos a conversar

FONTE: Eu levei o maior susto, não fazia ideia de que uma árvore fala!

ÁRVORE: (sorrindo) Claro que falamos, da mesma forma que uma fonte também fala.

FONTE: As árvores falam, quando o vento sopra bem forte através dos seus galhos e folhas, assim como está fazendo agora.

ÁRVORE: Fuuu. Fuuu. Fuuu.  E as fontes falam, quando elas brotam do chão e fazem bolhazinhas

FONTE: blu blu blu.

ÁRVORE: Falam quando se juntam às águas das Cachoeiras e saltam de grandes alturas

FONTE: chuá chuá.

ÁRVORE: E também quando fazem carinho nas pedras no seu caminho

FONTE: vruvru vruvru... Olha, essa árvore é bem sabida!

ÁRVORE: Como já falei, eu vivo aqui há muitos anos e depois que lenhadores e caçadores passaram a vir por esses lados, quase nenhum bicho da floresta aparecia para conversar. Por isso fiquei muito feliz quando a fonte brotou bem pertinho de mim.

Ah! Como o tempo passa rapidinho e logo a fonte começará uma viagem por toda a floresta, cumprindo a sua missão. O criador dá uma missão para cada um de nós, a minha é oferecer sombra para os animais se protegerem do Sol; os meus galhos para os passarinhos fazem seus ninhos; os meus frutos que alimentam a todos; as minhas folhas que vão para o chão e servem de adubo e alimento para os pequenos animais e até meu tronco, um dia, será aproveitado para muitas coisas.

FONTE: E antes de ser empurrada para cá me disseram que eu precisava dar de beber a todo mundo que me procurasse, mas eu estava assustada, pois não sabia se ia aguentar de tanta saudade da minha família, nem sei se teria água para todo mundo.

(FONTE e ÁRVORE se abraçam, mostrando que ficaram muito amigas.)

ÁRVORE: Mas antes da Fonte partir, eu pude lhe contar várias histórias sobre a floresta, pude falar sobre os perigos que existem, sobre os dias felizes, sobre os lenhadores que cortaram as minhas Irmãs. 

(Interagindo com as crianças) Vocês sabiam que um grande perigo são os balões que os seres humanos soltam e que causam terríveis incêndios, queimando árvores, matando plantas e bichos e até secando muitas Fontes?!

E para que a fonte não tivesse medo de fazer sua viagem, contei que haveria algo que estaria sempre com ela e que ia ajuda-la em todos os momentos. Ela precisava estar preparada para descobrir o que é.

FONTE (falando baixo para as crianças): O que será que está sempre comigo? Eu fiquei bem curiosa! Você estão curiosos? Aguardem que já vamos descobrir.

Um dia, apareceu um LENHADOR, que com seu machado, cortou minha amiga Árvore (A ÁRVORE sai de cena). Adeus amiga, sentirei muito a sua falta... 

Eu fiquei um tempo sozinha, mas nuvens de chuva que passaram por aqui, me deram força para começar a minha viagem. Durante a viagem, animais se aproximaram e puderam beber um pouco da minha água tão clarinha e fresca. Eu fiquei tão feliz! Pois pude conhecer tantos animais, tantos lugares e fazer cada vez mais amigos!

Certa vez, surgiu no meu caminho uma pedra impedindo minha passagem. Era uma pedra muito mal-encarada, e disse que fonte nenhuma ia passar por ela, pois era a dona do caminho e era ela que mandava. Confesso que fiquei com medo, mas ouvi uma voz... 

APOIO: “Acalme-se, deixe que as águas que vêm atrás se juntem a você concentre-se e siga em frente.”


FONTE: Resolvi então passar bem devagarzinho pelo lado da pedra. Que começou a rir, pois sentiu cócegas, acabei descobrindo que aquela marra toda era porque ela não gostava de tomar banho.

Segui meu caminho e de repente, surgiu na minha frente um imenso incêndio e uma andorinha se aproximou, dizendo que já estava preocupada com a falta d'água para apagar o incêndio. Encheu seu pequeno bico de água e foi apagar o incêndio, quando ela  voltou, perguntei “Mas você está sozinha tentando apagar esse fogaréu todo? É impossível só com estas gotinhas.” Sabem o que ela me respondeu? “Pode ser mas minha avó fez isso quando houve um grande incêndio por aqui e mamãe me disse que as gotinhas da vovó ajudaram a diminuir o fogo, posso até não conseguir sozinha, mas estou fazendo a minha parte.”
E eu ouvi a voz novamente...

APOIO: “O importante é que sempre faça sua parte, não se importe com o que falam de você. Sem querer agradar a todos, faça o melhor que possa e siga adiante.”


FONTE: Continuei o meu caminho, até que ouvi um som muito alto...

APOIO: Imita um som alto de água corrente.

FONTE: Olhei para todos os lados com muito medo, pois não sabia que barulho era aquele. E a voz mais uma vez surgiu...

APOIO: “Vai desistir agora que está tão perto de encontrar o que procura e de terminar sua viagem? O que sua amiga árvore pensaria de você neste momento?

Ninguém nunca sabe o que vai encontrar no momento seguinte da sua vida. Vá, tenha coragem! Vença o seu medo. Estou com você.”

FONTE: Era um rio! Me juntei a ele, e viemos juntos até aqui, encontramos o mar, vejam como é imenso! Estou muito feliz por ter conseguido chegar até aqui!

Ah, que saudade da minha amiga Dona Árvore.



BARCO (se aproxima):  Olá pequenina fonte!

FONTE: quem é que está falando comigo?

BARCO: sou eu.

FONTE: Quem é eu?

BARCO: Eu sou um barco agora, antes fui aquela velha árvore que você conheceu na floresta. Viu como nada morre e tudo se transforma. Voltamos a nos encontrar. Me conte como foi sua viagem.

FONTE: Dona Árvore, foi tudo como a senhora falou. Estou feliz por reencontra-la, mas tenho ainda uma dúvida...

BARCO: Fale...

FONTE: A senhora disse que algo iria me ajudar durante a minha viagem, eu não consegui ver quem era, mas uma voz muito amiga me encorajou o tempo todo! Me ajudou a não desistir, a vencer os meus medos, quem era essa voz?

BARCO: Essa voz amiga, sábia e carinhosa, é sua consciência. Foi por tê-la ouvido que você chegou até aqui. Muitas Fontes que não querem ouvi-la também chegam, mas depois de muito tempo... 

Ouça sempre a sua consciência, pois ela é a presença do Criador em você e vai ajudá-la a ser muito feliz. Bem, agora é hora de pescar. (Vai se encaminhando para sair do palco)

FONTE: Que legal!

BARCO: Até mais tarde minha amiguinha, até outro dia...

FONTE: Tchau Dona Árvore, quer dizer, “Seu” Barco, até outro dia...


E logo após a encenação, fizemos uma reflexão sobre a história, fazendo um link com o tema do ENEFE deste ano. "É hora de agir! Ama e trabalha!"


quarta-feira, 13 de março de 2019

ENEFE 2019 - Personalidades

Esse ano o grupo de estudo mais uma vez trabalhou com personalidades, uma a cada dia de ENEFE. Emoção pura!!!

Sábado - 02/03/2019 - Francisco de Assis




Domingo - 03/03/2019 - Saulo/Paulo de Tarso




Segunda - 04/03/2019 - Maria de Magdala



Terça - 05/03/2019 - Francisco Cândido Xavier







ENEFE 2019 - Vibração pelos Núcleos

Esse ano nossa vibração foi feita em um painel de TNT azul montado por partes.

O painel foi montado com a imagem de Jesus com suas mãos irradiando luz sobre o CEERJ, representado por uma casa grande com a logo do ENEFE desse ano no centro da casa.






1º Dia de Vibração - Sábado, 02/03/2019 - Iniciamos perguntando se sabiam o que queria dizer vibração. Explicamos o significado e informamos que iríamos vibrar por todos os 72 núcleos de ENEFE nesses 4 dias que estaríamos juntos.

Usamos tijolinhos de papel com os nomes dos núcleos colados neles para preencher as paredes do CEERJ, mostrando que cada núcleo era um pedacinho que sustentava todo esse trabalho realizado durante o Carnaval. Os evangelizandos junto com os evangelizadores colaram os tijolos na parede e vibraram pelos núcleos ao som da música "Quanta Luz".



2º Dia de Vibração - Domingo, 03/03/2019 - Colamos, abaixo do CEERJ, um mapa estilizado da cidade do Rio de Janeiro, contendo o nome dos 72 núcleos, e vibramos pelos núcleos ao som da música "Quanta Luz".



3º Dia de Vibração - Segunda, 04/03/2019 - Colamos no mapa os 72 núcleos de ENEFE, que foram representados por casinhas coloridas, e vibramos pelos núcleos ao som da música "Quanta Luz".



4º Dia de Vibração - Terça, 05/03/2019 - Colamos fitas douradas saindo do telhado do CEERJ em direção ao mapa do estado do Rio de Janeiro, irradiando luz para os 72 núcleos e vibramos pelos núcleos ao som da música "Quanta Luz"