Google+ Followers

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Chico Xavier - GEEAL

A Deise Nunes falou de Chico Xavier com a turma do GEEAL de quinta-feira.

Ela usou o boneco do Chico.



Mostrou alguns dos muitos livros que Chico psicografou.



E montou um painel de Chico caminhando com seus bons amigos, os evangelizandos se autorretrataram para compor o painel.

Chico Xavier - Jardim

Sábado (14/10/17) a Cíntia Machado falou sobre Chico Xavier com a nossa turma, ele, que foi para nós um grande exemplo de amor ao próximo, bondade e humildade.

Ela usou uma figura de Chico cortada em pedaços/peças sobre a mesa e pediu que os evangelizandos montassem e descobrissem qual Personalidade Espírita iriam conhecer. 


Imagem usada para imprimir e cortar






Explicou que iriam aprender um pouco sobre uma pessoa que foi muito importante para a Doutrina Espirita chamada Chico Xavier. 

Usou o boneco do Chico que a Deise Nunes mandou fazer, os evangelizandos adoram!





CONHECENDO UM POUCO DA SUA HISTÓRIA

Ele nasceu no dia 02 de abril de 1910 e desencarnou aos 92 anos, no dia 30 de junho de 2002.

Ele tinha oito irmãos e quando tinha cinco anos a mãe dele, Dona Maria João de Deus, desencarnou. Mas nós já sabemos que ao desencarnar, o corpo morre, mas o espírito continua vivo, por isso o espírito da mãe do Chico, estava sempre perto dele, mesmo depois de seu corpo ter morrido. Ela sempre dava bons conselhos e o ensinava a ser humilde. Um dia em que ele estava muito triste, o espírito da mãe dele falou para que não ficasse triste, contou que logo viria um “anjo” que cuidaria dele e dos irmãos com muito carinho. E assim aconteceu quando seu pai, João Cândido Xavier, casou novamente e sua nova esposa, Dona Cidália, cuidou de todos com muito amor e carinho. Juntos plantaram uma horta, e com o dinheiro da venda das verduras, as crianças puderam estudar. Foi Cidália que ensinou a Chico e seus irmãos a orarem, que os encaminhou na vida, que lhes deu ensinamentos cristãos e que os educou. 

Chico tinha pouca escolaridade, pois começou a trabalhar com oito anos de idade e só parou quando se aposentou. Ele sempre se sustentou com seu humilde salário. Jamais se aproveitou de seus dons, da sua mediunidade para receber vantagens pessoais. Através de sua mediunidade publicou 412 livros em diversos idiomas, e o dinheiro obtido com a venda dos livros é todo doado para a FEB (Federação Espírita Brasileira) e outras instituições de caridade. Também recebia mensagens de consolo para as famílias através de comunicações mediúnicas com desencarnados. Chico ajudava a todos, sempre. Ele é para nós exemplo de Amor e Bondade.


Contou as histórias com base no livro Lindos Casos de Chico Xavier - Ramiro Gama

33 - Pedindo esmola para enterrar o ex-patrão
35 - Vá com Deus
47 - Um relógio ao doente

Depois tocou a música que Chico mais gostava Lili (Hi Lili,Hi Lo)

Como atividade, ela deu um contorno de coração para cada evangelizando e pediu que fizessem um desenho e dissessem uma virtude de Chico. As evangelizadoras ajudaram os evangelizandos na hora de escrever a virtude no coração. 







Depois que todos haviam terminado, montaram um cartaz.



E para finalizar, não poderia faltar o desenho para colorir.






Lindos Casos de Chico Xavier/Ramiro Gama - 47




UM RELÓGIO AO DOENTE

Um amigo presenteou o Chico com um belo relógio de pulso. Aceitou-o, porque o confrade insistiu muito, Andou vários dias com ele, admirando-lhe a pontualidade. Mas um dia, a caminho do serviço, lembrou-se de saber, rapidamente, como ia Dona Glória, a quem na véspera dera um passe e para quem Bezerra receitara uns remédios homeopáticos.

—        Então, está melhor, Dona Glória. Tomou pontualmente os remédios?

—        Um pouco melhor, Chico. Só não tenho tomado os remédios com pontualidade, porque, como você sabe, sou pobre e ainda não pude comprar um relógio...

—        Por isto não.

E tirando do pulso o relógio que ganhara, disse-lhe sem mais delongas:

—        Fique com este como lembrança.

E deixando a irmã surpresa e emocionada, o Médium partiu, dizendo-lhe na costumeira despedida:

—        Fique com Deus! Deus a proteja! Como a senhora está precisando de relógio, este deve ser seu.

Lindos Casos de Chico Xavier/Ramiro Gama - 35




VÁ COM DEUS

Um dia Chico acordou atrasado para o trabalho, dormiu demais, porque trabalhou muito na véspera, psicografando uma obra ditada por Emmanuel.

Nem esperou a charrete, foi mesmo a pé para o escritório da Fazenda. Não andava, voava, tão velozmente caminhava. Ao passar defronte à casa de D. Alice, esta o chama:

— Chico, estou esperando-o desde às seis horas. Desejo-lhe uma explicação.
— Estou muito atrasado, D. Alice. Logo na hora do almoço, lhe atenderei.

D. Alice fica triste e olha o irmão, que retomara os passos ligeiros a caminho do serviço.

Um pouco adiante, Emmanuel lhe diz:

— Volte, Chico, atende à irmã Alice. Gastará apenas cinco minutos, que não irão prejudicá-lo.

Chico volta e atende.

— Sabia que você voltava, conheço seu coração.

E pede-lhe explicação como tomar determinado remédio homeopático.
Atendida, toda se alegra. E despedindo-se:

— Obrigada, Chico. Deus lhe pague! Vá com Deus!

Chico parte apressado. Quer recobrar os minutos perdidos.

Quando andara uns cem metros, Emmanuel, sempre amoroso, lhe pede:

— Pare um pouco e olhe para trás e veja o que está saindo dos lábios de D. Alice e caminhando para você.

Chico para e olha: uma massa branca de fluidos luminosos sai da boca da irmã atendida e encaminha-se para ele e entra-lhe no corpo...

— Viu, Chico, o resultado que obtemos quando somos serviçais, quando possibilitamos a alegria cristã aos nossos irmãos?


E Chico, andando agora naturalmente, sem receio de perder o dia, sorri satisfeito com a lição recebida. Entendendo em tudo e por tudo o SERVIÇO DO SENHOR, refletido nos menores gestos, com os nomes de Gentileza, Tolerância, Afabilidade, Doçura, Amor.

Lindos Casos de Chico Xavier/Ramiro Gama - 33




PEDINDO ESMOLA PARA ENTERRAR O EX-PATRÃO

Chico levantou cedo e, ao sair para o trabalho, encontrou no caminho o Flaviano, trazendo a notícia de que seu ex-patrão, o Juca, morreu na miséria, Chico, sem ter nem o que comer e seria enterrado pela prefeitura, sem caixão.

Chico pediu a Flaviano que fosse até a casa onde ele desencarnou e pedisse que esperassem um pouco.

Chico recorda seu ex-patrão, figura humilde de bom servidor, que tanto bem lhe fizera. E ali mesmo, no caminho, envia uma prece a Jesus:

“Senhor, trata-se de meu ex-patrão, a quem tanto devo; que me socorreu nos momentos mais angustiosos; que me deu emprego com o qual socorri minha família; que tanto sofreu por minha causa. Que eu lhe pague, em parte, a gratidão que lhe devo. Ajude-me, Senhor”.

E, tirando o chapéu da cabeça e virando-o de copa para baixo, foi bater de porta em porta, pedindo uma esmola para comprar um caixão para enterrar o amigo.
Logo todos em Pedro Leopoldo estava sabendo do ato do Chico.

Seu pai soube e veio ao seu encontro, tentando convencê-lo a desistir daquela ideia, mas Chico não desistiu.

Um pobre cego, muito conhecido em Pedro Leopoldo, esbarrou com Chico e ao saber que Chico pedia esmolas para enterrar o ex-patrão. Com os olhos cheio de lágrimas, comovido com a ação de Chico, despejou no chapéu do Chico tudo o que havia arrecadado ate ali...

Chico comoveu-se mais, agradeceu e comprou com o dinheiro esmolado o caixão.

Providenciou o enterro. Acompanhou-o até o cemitério.

E já tarde, regressou à casa.

Tinha vivido um grande dia.

Sentou-se à entrada da porta.

Lá dentro, os irmãos e o pai, observavam-no comovidos.
E
m prece muda, agradeceu a Jesus.

Emmanuel lhe aparece e lhe sorri. O sorriso de seu bondoso Guia lhe diz tudo.
Chico o entende.

Ganhara o dia, pagara uma dívida e dera de si um testemunho de humildade, de gratidão e de amor ao Divino Mestre.

domingo, 8 de outubro de 2017

Allan Kardec - GEEAL

A Deise Nunes também trabalhou Allan Kardec com a turma do GEEAL de quinta-feira na semana passada. Ela se vestiu de Kardec.



E os evangelizandos escreveram com pena para ver a dificuldade de Kardec.