Google+ Followers

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

O verdadeiro sentido do Natal




Iniciar a aula conversando com os evangelizandos, explicar que estamos chegando ao fim de mais um ano, logo as aulas vão terminar e todos estarão de férias.

Existe uma data em dezembro que é muito importante para os cristãos. Alguém sabe que data é essa? Natal.

O que é o natal para você? (perguntar a cada um e ouvir as respostas).

Reforçar que o Natal é o momento do ano escolhido para agradecer pela vinda de Jesus ao nosso planeta para nos ensinar sobre o AMOR.

Vamos ouvir uma história? Contar a seguinte história. 

Júlio era um menino muito pobre que frequentava a escola de evangelização, assim como vocês. E como acontecia todos os sábados, Júlio foi para a evangelização. Era a última aula do ano, a evangelizadora falou sobre o Natal, a data em que os cristãos comemoram o nascimento de Jesus.

A evangelizadora perguntou a sua turma como eles achavam que Jesus gostaria que o seu nascimento, o seu aniversário, fosse comemorado. E vocês, como vocês acham que Jesus gostaria? (Ouvir as respostas e continuar)

Os evangelizandos não souberam responder, então a evangelizadora explicou que, buscando nos ensinamentos de Jesus, poderiam encontrar algumas dicas de como ELE gostaria que comemorassem o aniversário dele.

Jesus gostava de estar entre os sofredores e os necessitados, será que na comemoração do seu nascimento ELE ia gostar que eles ficassem de fora?

Jesus disse que ao dar uma festa, não devíamos convidar os ricos que teriam como retribuir o convite, mas sim os que não tinham condições de retribuir a gentileza. Quem são eles? Os pobres e necessitados.

Jesus amou muito as pessoas, os animais, as plantas, será que ele ficaria feliz em ver nossa mesa cheia de animais preparados para a ceia? Ela explicou que o espírito natalino representa, sobretudo, repartir o que temos com o próximo, mesmo que seja pouco. Isso é o que o Mestre Jesus espera de nós: que possamos agir como verdadeiros irmãos.
Os evangelizandos ficaram pensando em tudo que ela falou.

Vânia, Lúcia e Raul, disseram que pediriam dinheiro aos seus pais e comprariam doces para distribuir para as crianças mais carentes do que eles. Mas a evangelizadora observou que nesse caso quem estaria distribuindo seriam os pais, já que o dinheiro era dos pais e não deles. Como eles moravam perto um do outro, resolveram ensaiar uma música e na noite de natal, catarem de porta em porta, alegrando as pessoas.

Um grupo de crianças que morava perto de um hospital infantil, resolveu arrecadar na vizinhança brinquedos que seriam entregues depois de uma pequena peça contando o nascimento de Jesus, que eles haviam visto no Centro e resolveram ensaiar.

Mas Júlio não morava perto de ninguém e não tinha nada para dar, ficou um pouco triste e foi para casa pensando no que poderia fazer.

Alguns dias depois, o avô de Júlio foi visita-lo e deu a Júlio uma nota de R$ 10,00. Júlio pensou logo: “Já sei! Vou comprar aquele cachorro-quente que sempre sonhei comer e que nunca pude.”

Júlio saiu correndo, foi até a barraquinha de cachorro-quente que ele tão bem conhecia de tanto ouvir as pessoas elogiarem. Pediu a promoção, cachorro-quente + refrigerante por R$ 10,00. Cheio de ansiedade, já com água na boca, mal podia esperar que ficasse pronto. Acrescentou os molhos e tudo o mais que tinha direito, e acomodou-se na calçada para apreciá-lo devidamente. Muito satisfeito, respirou fundo e abriu bem a boca para dar a primeira bocada. Nesse instante, viu ao seu lado, também sentado no meio-fio, um moleque sujo e esfarrapado, cujos olhos famintos não se despregavam do seu sanduíche.

Júlio tentou ignorar o menino, mas aqueles olhos de pedinte o incomodavam. Foi quando lembrou das palavras da evangelizadora “repartir o que temos com o próximo, mesmo que seja pouco”. Júlio levantou-se, e, pouco depois voltou, com o cachorro-quente dividido ao meio e o refrigerante em dois copos. Entregou um pedaço do cachorro-quente e um copo de refrigerante para o garoto, que lhe agradeceu com um enorme sorriso.

Juntos, lado a lado, saborearam o delicioso lanche.

Jamais Júlio tinha experimentado tal sensação de bem-estar e de felicidade. A gratidão do menino de rua tinha para ele um sentido todo especial.

Finalmente entendeu o que era o espírito natalino. Ele conseguiu renunciar, dividindo algo que muito desejava. Repartiu o pão com alguém ainda mais necessitado do que ele, e tinha certeza de que Jesus aprovava seu gesto. Nem sabia o nome do moleque! Mas que importância tinha isso?
Virou-se para o garoto, que estava com olhos brilhantes e cheios de alegria. Sorriram. Tinha ganhado um novo amigo.
— Feliz Natal! — exclamou satisfeito.
— Feliz Natal! — repetiu o menino.

E se abraçaram contentes.

O Júlio repartiu o sanduíche que ele tanto queria a muito tempo, mas será que é somente coisas materiais que temos para oferecer aos nossos irmãos? O que mais podemos oferecer e que deixaria Jesus muito feliz?
Ouvir e completar se necessário: uma prece, um sorriso, um abraço, um bom dia, um feliz natal,

Agora que nós já sabemos o que deixa Jesus feliz no Natal, vamos fazer um desenho do que podemos desejar de bom para as outras pessoas no natal. Quem souber escrever pode escrever palavras de amor e amizade, as evangelizadoras podem ajudar os que não sabem escrever e querem escrever algo. 

Disponibilizar folhas de papel A4, lápis de cor, canetinha, giz de cera, figuras de Jesus (com crianças e do seu nascimento) para colorirem, cola e tesoura para que cada um prepare sua mensagem de natal. As evangelizadoras também podem confeccionar a sua e depois fazer o sorteio, evangelizadora tira um nome, entrega sua mensagem e quem for sorteado tira um nome e faz a entrega da mensagem.

JESUS - passo a passo boneco de garrafa pet

Hoje vamos postar um passo a passo da nossa companheira Deise Nunes, para confecção de boneco de Jesus que fez um sucesso enorme com os nossos evangelizandos. 



Vamos precisar de garrafas pet pequenas (usamos as de 237 ml- caçulinha), TNT branco e em outra cor de sua preferência, impressões do rosto de Jesus e das mãos (pode usar também papel cor de pele ou EVA), corações, fita adesiva fina transparente e cola instantânea multiuso. 

Cortar um retângulo em TNT branco em um tamanho que cubra a garrafa e sobre um pouco, como na figura abaixo.


O excesso do TNT deve ficar para cima e depois colocado para dentro da boca da garrafa.

Cortar então no TNT branco as mangas da túnica, usando cola instantânea, colar as mãos na manga e depois as mangas na garrafa encapada. O rosto será preso na tampa da garrafa com fita adesiva transparente, fazer isso com a tampa já enroscada na garrafa, para não correr o risco de ficar mal posicionada.


Para finalizar, cortar uma tira de TNT na cor da sua preferência e prender como uma faixa no corpo do boneco e colar o coração do lado esquerdo. Temos assim o nosso boneco de Jesus. 


A Deise confeccionou com o segundo ciclo quando falamos do Culto de Evangelho no Lar e depois no GEEAL para trabalhar o nascimento de Jesus.



A ideia pode ser adaptada para outros personagens, basta usar a imaginação, vamos agora usar nossa criatividade e confeccionar outros personagens e outros materiais?

Presépio do GEEAL

Esse ano o Grupo de Educação Espírita André Luiz (GEEAL) que evangeliza durante as reuniões públicas do Centro Espírita Miguel, resolveu montar um painel coletivo da cena do nascimento de Jesus, o famoso Presépio de Natal, para decorar nossa casa espírita.

Cada uma das cinco turmas (Quarta-feira - reunião das gestantes, quinta-feira - reunião pública, sexta-feira - reunião pública, sábado - reunião dos assistidos e domingo - reunião pública) confeccionou um personagem do presépio e estrelas com mensagens de Feliz Natal.

O resultado do trabalho ficou maravilhoso!


Natal com Jesus

O Grupo de Educação Espírita André Luiz (GEEAL) que evangeliza durante as reuniões públicas do Centro Espírita Miguel, trabalhou o nascimento de Jesus na semana do Natal.

Na quinta-feira (22/12/2016), a Deise Nunes contou a história "O Presente" usando bonecos. A medida que contava a história, acrescentava os personagena na cena.

Os três Reis Magos também poderiam ter trazido:
Ferramentas - significando Trabalho
Coração - significando Amor
Livro - significando Estudo


No final da história todos os personagens se abraçavam.

Na sexta-feira 23/12/2016, Olívia Rangel, Danilo Thomaz e Cristiane Pedrosa confeccionaram um presépio com sucata.


O presente



Estamos próximos de uma casa muito simples, mas bem bonita. Nela reside uma família: a mãe, uma senhora meiga e humilde que se desdobra carinhosamente a fim de ensinar as coisas boas ao filhinho; o filho de seis anos que já parece entende muitas coisas, parece até um homem devido a seriedade de suas ações e o amor que reflete em seus olhos. Seu rostinho é emoldurado por formosa cabeleira de cachos loiros que irradia doce suavidade; o pai, um carpinteiro humilde, que trabalha o dia todo para obter recursos para o sustento diário da família. 

Para vocês melhor entenderem a nossa história, vamos dar nomes às pessoas: a mãezinha do menino chama- se Maria, o pai chama- se José e o menino... bem... vamos deixar o nome do menino para ver quem descobre...

Um dia, José, depois de ter trabalhado bastante, dirigiu-se à cidade a fim de fazer algumas compras. Em casa ficaram sua esposa e seu filhinho. Vamos observar o que acontece. Que beleza! Uma casinha tão simples, tão humilde, mas como tudo está arrumado e limpo! E os móveis? Como são bonitos, e todos em seus lugares! Maria parece conversar c om o menino e dá a impressão de ser uma conversa muito amigável. Vamos ouvir?

- Meu filho, diz ela, hoje é o dia de seu aniversário. Enquanto seu pai não volta da cidade, vamos conversar um pouco. Quero falar do dia em que você nasceu. Foi um dia tão lindo, jamais esquecerei. 
Há 6 anos, fomos obrigados a deixar esta casinha tão querida. Deixamos os limoeiros, nosso pequeno jardim, nossa vida cheia de trabalho e de alegria, a fim de atender a ordem do Imperador de Roma, César Augusto, que havia determinado que todos os homens deveriam voltar ao seu lugar de nascimento para se registrar novamente, para que soubesse quantos habitantes havia no país todo. 
Seu pai José, não querendo me deixar sozinha aqui em Nazaré, resolveu me levar junto com ele apesar de estar nos últimos dias de gravidez. 
Eu e seu pai fizemos uma longa caminhada através das montanhas, suportando chuva e sol quente, mas íamos contentes pois logo ficaríamos livres do compromisso do registro. 
Após alguns dias chegamos à Belém. O animalzinho, um burrinho que nos carregava, estava tão cansado... 
Entrando na cidade, vimos muitas pessoas que como nós haviam ido para lá para se registrarem. As ruas estavam repletas de pessoas e algumas delas aproveitavam para fazer negócios, vendendo mercadorias que tinham trazido de lugares diversos. 
Em todos os cantos viam- se gente encostada ou procurando acomodar- se para descansar, nas portas, nas calçadas, nos jardins. Muitos estavam até tristes. No meio de tanta gente, nós, seu pai e eu, não conseguimos arrumar lugar para passar a noite. O cansaço era grande. Seu pai havia procurado por todos os lados. Tudo estava ocupado, porém, não podíamos ficar ao relento. Que fazer? Ninguém tinha lugar sobrando. 
Algumas pessoas nos indicaram uma estrebaria, lugar onde se guardam os animais à noite. Alegramo-nos com a indicação; naquela dificuldade, não encontraríamos melhor solução! E foi lá, numa estrebaria em Belém, que você nasceu em meio à noite, bela e silenciosa, fazendo-me a mulher mais feliz do mundo. 
Começaram a chegar muitas pessoas para visitar você, meu filho. 
Pastores afirmavam que você havia nascido para a salvação de todos os homens. Que você era o Messias enviado por Deus. 

Neste momento, ouvem- se passos. Maria interrompe a narrativa. Sabia que José devia voltar trazendo compras para que ela preparasse em gostoso jantar e talvez trouxesse um presente para o menino. José entrou contente dizendo:


- Venha c á, meu filho,  quero dar- lhe um grande abraço, fui comprar um presente para você e descobri que quem ganhou um presente fui eu!  É isto mesmo! Meus amigos, sacerdotes do templo garantem que você, meu filho, é o Messias, esperado pelo nosso povo. Será um grande homem e todos o conhecerão como Jesus Cristo - o filho de Deus, e que com suas palavras de bondade e com suas mãos cheias de amor será a salvação da humanidade. E que todos nós, homens, mulheres, meninos e meninas, seremos estrelas cristalinas que no céu irão brilhar. Toda dor que sentimos no peito serão aliviadas e consoladas por ti.

O menino ouvia em silêncio o que seu pai dizia e parecia a tudo entender perfeitamente. 

Os pais abraçaram o filho Jesus e oraram a Deus Criador por ter lhes enviado tão grande presente. É por isso que recebemos presentes quando nascemos e quando fazemos aniversário. Tudo começou com este menino chamado... Jesus! 

(história retirada do site http://cvdee.org.br/evangelize/pdf/6_0018.pdf)

Educação com sabor de eternidade

 O Livro "Educação com Sabor de Eternidade", organizado pela querida Lúcia Moysés para divulgar experiências bem sucedidas na evangelização, e que fala do nosso blog, ficou na lista dos mais vendidos no período de abril a setembro de 2016.



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Encerramento Jardim

O encerramento do Jardim foi bem especial, exibimos o filme da Turma da Mônica "Linda Noite de Natal". Levamos suco e pipoca para essa sessão de cinema especial, o filme foi curtinho e prendeu bastante a atenção deles.






Fizemos algumas reflexões após o filme, chamando a atenção para o aniversariante, Jesus, que muitas vezes é esquecido pelas pessoas. 

Conversamos sobre o que Jesus veio nos ensinar, qual o melhor presente podemos dar a Ele no seu aniversário, sobre os excessos cometidos em relação a comida e bebida, usamos passagens do filme para nossas reflexões e finalizamos com o exemplo da turma que se mobilizou para doar brinquedos que foram especiais para eles, mas que não eram mais usados e serviriam para alegrar outras crianças. Usamos esse gancho para propor um presente especial para Jesus esse ano, que é a doação do nosso amor em forma de cartão de Natal para crianças que já recebem ajuda do CEM. 

Eles adoraram a ideia e confeccionaram os cartões com muito carinho. Cada evangelizando confeccionou dois cartões, enfeitaram com adesivos e desenharam muitos corações e flores, os que já sabem escrever escreveram amor, paz, Jesus. Ficamos tão envolvidos com a atividade que não conseguimos registrar esse momento tão mágico!

Encerramos nosso último dia de evangelização em 2016 com um amigo oculto de cartão de Natal, cada um confeccionou um cartão para o seu amigo, foi muito bom!

Já estamos com saudades! Que dezembro e janeiro passem bem rapidinho!  

Encerramento 2016 - Parte 2

No último sábado de novembro (26/11/16), foi o encerramento da evangelização em 2016. Entramos em recesso para planejar o próximo ano que iniciará no primeiro sábado de fevereiro/2017. E esse ano, nossa companheira Joelma teve uma inspiração e usamos esse dia para confeccionar cartões de Natal para as crianças assistidas da casa. 

Os cartões confeccionados pelos nossos evangelizandos irão acompanhar o kit de Natal de cada uma das 150 crianças assistidas pelo Centro Espírita Miguel.

A ideia foi tão boa, teve um resultado maravilhoso, os nossos evangelizandos amaram e por isso fará parte das nossas atividades e constará em nossos programas daqui pra frente.












quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Conto ou não Conto? - Apresentação do 3º Ciclo

Essa é a apresentação da turma do 3º Ciclo. Foi feita pelas evangelizadoras Cláudia e Margareth, enquanto a Valéria ficou em sala com os evangelizandos.

Usaram o livro "Conto ou não conto" que podemos encontrar disponível para download em vários sites, por isso podemos disponibilizar aqui.







A apresentação foi feita com a narração da Cláudia e a Margareth vistiu o "Livrão" com a história.










Foto tirada com os evangelizandos do 2º Ciclo



O Socorro do Céu - Apresentação 2º Ciclo

Essa é a apresentação da turma do 2º Ciclo. Foi feita pelas evangelizadoras Ana Lúcia e Deise, com a colaboração do nosso querido Leomar, que evangeliza durante as reuniões públicas (GEEAL), enquanto a Verônica ficou em sala com os evangelizandos.


Roteiro adaptado da mensagem "Socorro do Céu" do Momento Espírita.

Montado em seu cavalo, o fazendeiro dirigia-se à cidade como fazia frequentemente, a fim de cuidar de seus negócios.

(Fazendeiro) (Mentor Espiritual intuindo) Nunca prestara atenção àquela casa humilde, quase escondida num desvio, à margem da estrada. Estou curioso! Quem será que mora ali?

Cedendo ao impulso, aproximou-se. Contornou a residência e, sem desmontar, olhou por uma janela aberta e viu uma garotinha de aproximadamente dez anos, ajoelhada, de mãos postas, olhos lacrimejantes...

(Fazendeiro) Que faz você aí, minha filha?

(Menina) Estou orando a Deus, pedindo socorro... Meu pai morreu, minha mãe está doente, meus quatro irmãos têm fome...

(Fazendeiro) Que bobagem! O Céu não ajuda ninguém! Está muito distante... Temos que nos virar sozinhos!

Embora irreverente e um tanto rude, era um homem de bom coração. Compadeceu-se, tirou do bolso boa soma em dinheiro e a entregou à menina.

(Fazendeiro) Aí está. Vá comprar comida para os irmãos e remédio para a mamãe! E esqueça a oração.

Isto feito, retornou à estrada. Antes de completar duzentos metros, decidiu verificar se sua orientação estava sendo observada. (Mentor Espiritual intuindo)

Para sua surpresa, a pequena devota continuava de joelhos.

(Fazendeiro) Ora essa, menina! Por que não vai fazer o que recomendei? Não lhe expliquei que não adianta pedir?

(E a menina, feliz, responde): Já não estou mais pedindo, estou apenas agradecendo. Pedi a Deus e ele enviou o senhor!




Foto tirada com os evangelizandos do 2º Ciclo

A Ponte - Apresentação do 1º Ciclo

Essa é a apresentação da turma do 1º Ciclo. Foi feita pelas evangelizadoras Camila, Joelma e Marizete, e nossa querida Priscila Catalão, que evangeliza durante as reuniões públicas (GEEAL), calaborou com o trabalho e ficou em sala com os evangelizandos.


Roteiro adaptado da mensagem "Construindo Pontes" do Momento Espírita.


Cenário: TNT azul no meio da sala, representando um rio. 
Estacas de madeiras num canto da sala.

Carpinteiro anda em busca de emprego. Irmão1 cuidando das plantas da fazenda.


Carpinteiro passa pelo Irmão1 e fala: - Oi moço! Estou procurando um emprego! Sou carpinteiro, mas faço qualquer tipo de serviço! O senhor teria algo aí para mim?

Irmão 1: Huuum, tenho sim! Aqui é a fazenda do meu pai. Quando meu pai faleceu, dividimos a fazendo em duas. Do riacho para cá, a fazenda é minha e do riacho para lá é do meu irmão. Eu e meu irmão não nos damos bem. Desde criança brigamos muito. Ele sempre me perturbou, sempre foi chato e inconveniente! De vez em quando até ficamos bem um com o outro, mas ontem tivemos mais uma briga, e das feias! Ainda bem que cada um tem seu lado da fazenda! Não suportaria conviver com ele, já basta quando éramos crianças! 
Mas o que eu quero é que o senhor use aquelas estacas de madeira para fazer uma cerca, impedindo de vez o contato com meu irmão! Não suporto mais ele!!! Construa a cerca maior e mais alta que conseguir!

Carpinteiro pega as estacas e começa a fazer a cerca. Para de fazer, pensa, e tem uma ideia! Ahhh!!! Irei construir uma ponte!
Quando acaba, chama o Irmão1 (que fica de costas, ainda cuidando do jardim) para ver seu trabalho: - Pronto, chefe! Acabei o serviço!


Irmão1 vira e quando vê a ponte leva um susto!
Irmão1 (bravo): Mas não foi isso que lhe pedi! Pedi que o senhor construísse uma cerca, para separar de vez eu e meu irmão, e o senhor construiu uma ponte, ligando as duas margens do telhado!!! Eu não acredito!

Nisso, o irmão2 se aproxima e vê a ponte. Fica espantado, mas com o sorriso no rosto.
Irmão2: Nossa, meu irmão, que bom que você mandou construir essa ponte, mesmo depois de tudo que aconteceu! Estava mesmo sentindo sua falta!

E, num só impulso, o irmão1 correu em direção ao irmão2 e eles se abraçam no meio da ponte.

O carpinteiro observa tudo, sorrindo. Quando eles se abraçam, ele faz que vai embora.

Nisso, o irmão1 diz: - Espere senhor, fique conosco!

Carpinteiro: - Não posso, tenho outras pontes para construir!











terça-feira, 22 de novembro de 2016

O Sonho de Carolina - Apresentação do Jardim

Essa é a apresentação da turma do Jardim. Foi feita por mim e pela Cíntia, enquanto a Carol ficou em sala com nossos evangelizandos.

Nós adaptamos o livro "O Sonho de Carolina" da FERGS. 



Como não encontramos a história disponível na internet, compramos o livro, por esse motivo não podemos disponibilizar o texto, vamos apenas fazer um breve relato do que apresentamos.

A história conta que um dia Carolina resolve não fazer mais nada, pois acha que tudo que ela faz é sem importância. Não se sente bem em ficar sem fazer nada e quando dorme, sonha que partes de seu corpo param de trabalhar. Sente tanta aflição que acorda e percebe que o que faz é um pouquinho, mas é um pouquinho que faz muita falta. 


A Cíntia fez a narração. Eu fiz a fala da Carolina e das partes que iam deixando de trabalhar.

Usamos uma boneca grande, feita com pepelão, tecido e feltro. O rosto tinha olhos, boca e ouvidos presos com velcro.




A medida que a história ia sendo contada, as partes iam sendo tiradas do rosto, que ficava assim...






Cíntia e Eu


Foto tirada com os evangelizandos do 2º Ciclo